Thursday, March 13, 2008

O lamento de um começo

[...]
Por fim, desejo não conhecer a sua dor. Sei que sou uma das causas. E também sei as conseqüências. Por isso prefiro te ver sofrer de longe, distante. Não tenho a mínima pretensão de alcançar sua dor, seu choro, seu soluço. Mas não é por maldade, entenda. Eu sempre achei que a proximidade estraga o que a distância preserva. Não quero ver teu pranto nem rir do seu escândalo. Não quero prometer que nunca mais vou voltar. Não quero mentir, só quero sonhar. E sonhar implica em tentar acordar o mais cedo possível para a realidade. E a realidade é que não te tenho por perto.
[...]

7 comments:

karine mendes said...

Se existe perfeição,
eu a encontro aqui.

Engraçado como tudo o que você escreve faz o maior sentido.

Karine M.

Evelyn Mendes. said...

ahhh pedrinho, adoro vir aqui e estar cheio de trechos (maiores agora=)e lindos como sempre,bendita inspiração!:D

beijinhos!

[P] said...

Também desejo.
Também prefiro.
Também não tenho a mínima pretensão.
E não quero ver, prometer ou mentir.
Apenas sonhar.
Também.

=***

Juliana Caribé said...

Perfeito!
"Eu sempre achei que a proximidade estraga o que a distância preserva."
Lindo!
Demais!

aquelacarta said...

oi.

Juliana Caribé said...

Opa! Seria uma honra um texto seu para uma foto minha. Quer escolher uma de algum dos blogs ou quer que eu mande uma inédita?

Beijos.

Jéssica said...

ok, ja leio teu blog a um bom tempo, não lembro como, nem onde achei
mas me interessei e adorei tudo que tu escreve @_@

não deixo comentarios, mas nesse não tinha como passar em branco..

"Eu sempre achei que a proximidade estraga o que a distância preserva." [2]
babei :D~

Parabens, e escreva um livro que eu aguardo nas livrarias :D