Wednesday, December 22, 2010

Overdose diária

[...]

Não quero morrer de overdose, mas também não quero viver sem sua dose diária de vida. Quero desabar no seu mundo e me enfiar nos seus abraços sem pedir licença. Na ternura das suas pálpebras entre abertas - vivendo entre sonho e realidade, uma quase-vida - onde os amantes se fazem de cegos, as paixões se fazem de belas, os caixões se fingem de cheios e o nosso amor se enterra aos prantos.
[...]

2 comments:

Poliana said...

Perfeito.

Bela said...

Perfeito mesmo.
Inesquecível para quem lê, parabéns ;)