Friday, March 27, 2009

Amostras

[...]
Quero conservar o medo de te perder. É justamente ele que me mantém seguro sobre o que sinto por você. Um sentimento puro, transparente, que deixa à mostra: sangue, lágrima, dor e uma enorme vontade de te ver. Um sentimento puro, transparente, que deixa à mostra: risos, sorrisos, gargalhadas e uma imensa vontade te continuar te vendo. Um sentimento que deixa amostras de como tudo vale a pena. Que deixa amostras de dias bons, sonhos bons, sonos longos e bons sons. Um sentimento que deixa amostras de um tempo feliz, um tempo de paz.

Quero preservar a perdição que é ter medo de te perder. É justamente ela que contém meus impulsos. Prende meus absurdos. Amarra minhas intenções e impede que minha loucura alcance o ponto de equilíbrio dos seus desequilíbrios. Às vezes me assusto, não por medo, mas por não entender e não saber como agir. Mas não posso deixar de me assustar, não posso perder esse medo. É ele que faz querer te entender e, por conseqüência, me entender.

Se não houvesse esse medo, não haveria você. Se não houvesse você, não haveria sentido. Se não houvesse sentido, porque eu sentiria medo?
[...]

3 comments:

Camila. said...

Que, no fim, é o medo que sustenta e mostra sentido, não?

Liz Christine said...

olá...

na verdade, sempre leio teus textos... sempre que posso...

obrigada pelo comentário no meu blog...

beijos,
Liz Christine

Eneline Gouveia said...

entendi agora
que o medo
é que dá segurança

:)