Sunday, October 14, 2007

Só não se esqueça que acabou...

Diz. É seu direito falar. Peça desculpas milhões de vezes, mostre arrependimentos sempre que puder, mande flores vermelhas e bonitas quando preciso for, escreva cartões entupidos de corações rosa e bregas – eu vou rir, mas, sem dúvida, vou gostar. Diz. É seu direito falar, só não se esqueça que acabou...

Continua dizendo. É seu dever falar. Encontre os motivos mais bobos, pense nos absurdos mais simples que você cometeu, esconda sem vergonha a vergonha e o vazio que te preenchem agora, evite revelações desnecessárias, ligue quantas vezes for preciso – prometo atender sempre essas recém-inúteis ligações. Antes eu amava te atender, hoje já nem ligo tanto. Continua dizendo. É seu dever falar, só não se esqueça que acabou...

Erre. É seu direito falhar. Todos nós temos nossas doses diárias de erros permitidos. Saiba que, hoje, escuto com bastante atenção todos os teus “eu te amos”; dou-te todos os perdões que você precisar; aceito os seus arrependimentos e, ao mesmo tempo, me arrependo por você ter se arrependido tão tarde; guardo todas as flores, todos os cartões, todas as suas falas, todas as suas revelações, todas as suas vergonhas, todas as suas bobagens, todos os seus absurdos, todos os seus motivos, mas entenda que acabou.

Adeus. É meu direito partir. Ah Deus, é meu dever partir!

Viva em paz com todos os meus adeuses e, por favor, não comece a chorar agora que acabou.

4 comments:

Evelyn Mendes. said...

Nossa Pedrinho, "violento" esse texto hein...
EXCELENTE! =)

Raven said...

esse texto me lembrou meu último relacionamento.

é bem por aí mesmo.

Talita Cardozo said...

Você não conseguiria, nem se quisesse, escrever um texto anônimo.

tete said...

Nossa pedro, acho que todo mundo que sofrer de amores, quiz dizer isso se seu amado voltasse implorando de joelhos. parabens