Monday, April 16, 2007

Língua viva, boca morta

Língua viva, boca morta

O som não sai, mas quem se importa?

O som não traz você de volta

O som desfaz a sua escolta...

Língua viva, boca morta

Quem quer ouvir as suas notas?

Quem quer saber de onde eu vim?

Quem quer prever pra onde eu vou?

A dor não entra por esta porta

A dor invade e se acomoda

Nos erros que eu causei por mil

Tentando nunca mais errar.

Língua viva, boca morta

Ninguém se ama, mas quem se importa?

O amor não está mais na moda

O amor agora só nos incomoda.

Língua viva, boca morta

Quem quer dizer a sua fala?

Quem quer falar o que dizer?

Quem quer rever o seu discurso?

O amor só sai por esta porta

O amor invade e se aloja

Nos berros que berrei sozinho

Calando então a companhia...

Eu me canso à toa, eu me finjo de ator
Interpreto o que sou, mas não ganho o papel
O meu palco é o tempo, é o tempo em que estou...
Eu te amo por dentro, eu amo por fora
Eu te amo embora não há nada por dentro
Eu te mando embora e te faço entrar
Eu te amo por dentro, eu amo por fora
Eu te amo embora não há nada por dentro
Eu te mando embora e te faço entrar
E te mando embora e te trago de volta.

1 comment:

meu salto said...

como sempre... eu gostei!