Wednesday, April 13, 2011

Amor Sem Título

[...]

Escrever pra você é respirar. Se tornou vital. É meu jeito distante de te ter sempre por perto. Mas eu trocaria cada palavra já escrita pela sua presença constante. Não há mais como esconder o que sinto quanto te vejo desfilar pelo meu mundo todas as manhãs. Não há mais como esconder todas as verdades que eu preciso dizer e que eu preciso ouvir dos seus lábios.  A única dor que você me causa é a dor física da saudade. É inevitável. Todos os dias, noites, minutos, você se faz presente. E eu me pego sorrindo, feito bobo. Mas a dor logo segue seu destino de fazer doer e faz questão de me lembrar com todas as letras que você não é minha. Que você não poder ser minha, por enquanto. Que você, um dia quem sabe, será um pouco minha. Acho, aliás, tenho certeza, que será o dia mais feliz da minha vida. Poder contemplar a beleza do seu sorriso todas as manhãs, poder me alimentar da poesia dos teus olhos entupidos de saudade sempre que acariciar seus cabelos sem te perder de vista, poder te olhar dormir todas as noites e acreditar que em algum momento, ou por algum motivo, eu vou estar nesse sonho. Essa seria a realidade que eu gostaria de dividir com você. E é por isso que eu te escrevo. Escrever pra você é respirar. Escrever pra você é inspirar. É preencher o meu mundo com o que a vida me deu de mais bonito: a possibilidade de um dia viver e morrer  nos seus braços.

[...]

3 comments:

Evelyn Mendes. said...

:')

Poliana said...

Maravilhoso, sem palavras.

Bela said...

Você surpreende a cada palavra!
Um abraço, de uma admiradora
:*